Cegueira noturna, você sabe o que é?

Conhecida cientificamente como Nictalopia, a cegueira noturna é caracterizada pela incapacidade ou dificuldade de enxergar em ambientes com pouca luz e ocorre em função de um distúrbio nos bastonetes da retina – células responsáveis por auxiliar o indivíduo a enxergar em zonas com iluminação deficiente.


Na maioria das vezes, os portadores da Nictalopia têm a sensação de estar vendo o mundo por meio de um binóculo, com uma visão “tubular”, e, por conta disso, apresentam dificuldades em realizar atividades cotidianas normais, como conduzir veículos no período da noite, circular com segurança por ambientes com iluminação limitada, ler ou até ver as estrelas no céu.


A cegueira noturna em si não é uma doença. Mas, sim, um sintoma que indica a presença de algum problema de visão. Entre os principais, estão:


Catarata: A catarata tem entre seus sintomas iniciais a cegueira noturna. Comum em pessoas acima dos 60 anos, trata-se de uma lesão ocular que atinge e torna opaco o cristalino – lente natural dos olhos – comprometendo assim a visão. Nesses casos, o tratamento mais eficaz é a correção cirúrgica, pois recupera a capacidade visual do paciente.


Miopia: Quase sempre associada à cegueira noturna, a miopia é uma condição em que o comprimento focal (da córnea até a retina) é maior do que o exigido para o foco de uma imagem. Com isso, a visão de perto é muito boa, mas a de longe fica embaçada. Geralmente, para efeito de tratamento, são receitados óculos de grau ou adaptadas lentes de contato para compensar o erro de refração.


Hipovitaminose A: Embora seja mais rara, uma dieta deficiente em vitamina A pode levar diretamente à diminuição da visão e causar a cegueira noturna, uma vez que esse nutriente é responsável por manter as células epiteliais (camada superficial da córnea) saudáveis. O tratamento é simples: a inclusão dessa vitamina na alimentação.


Retinose Pigmentar: A causa mais comum da cegueira noturna é a retinose pigmentar ou retinose pigmentosa. Trata-se de uma moléstia de origem genética que afeta a retina levando à destruição gradativa das células e fotorreceptores retinianos (células sensíveis à luz). Em fase mais avançada da doença, o indivíduo perde a visão das cores e a visão central, assim como a capacidade de ver detalhes ou ler. Até o momento, ainda não há um tratamento específico para a retinose pigmentar; por isso, nesses casos é fundamental o acompanhamento com especialistas para realizarem a reabilitação visual.


Importante

A forma mais segura e eficaz de diagnosticar a doença é realizando um exame ocular completo por meio de uma visita ao oftalmologista. Só ele poderá indicar o melhor tratamento para o problema.


Reabilitação visual: como lidar com a cegueira noturna? Abaixo, separamos alguns exemplos de técnicas e adaptações para reabilitação da visão para ajudar a encarar da melhor maneira a cegueira noturna, principalmente nos casos não tratáveis, como o da retinose pigmentar.


→ Equipe-se com técnicas para locomover-se com segurança pela sua casa, escritório ou escola; introduza no seu dia a dia maneiras seguras de realizar as tarefas como cozinhar, administrar finanças e assuntos pessoais;


→ Utilize aparelhos ópticos ou eletrônicos indicados por um oftalmologista para maximizar a visão existente, permitindo-lhe a leitura;


→ Ao usar o computador, utilize filtros ópticos a determinadas frequências luminosas (“cores” de luz); → Melhore a iluminação geral da sua casa com utilização de luminárias flexíveis, móveis ou ajustáveis e detectores de movimento que acendam a luz quando você passar; → Prefira utensílios/visores de relógio em cor azul em vez de laranja ou vermelha, as quais podem não ser vistas facilmente;


→ Coloque etiquetas com marcas sensíveis ao tato, como pontos em alto-relevo, em teclas, enlatados e outros itens para ajudá-lo a distinguir objetos similares uns dos outros.


Não confunda visão cega com cegueira noturna!

Algumas pessoas confundem a visão cega com cegueira noturna, porém elas não são iguais. Conhecida também como Cegueira Cortical ou Blindsight, a visão cega trata-se de uma deficiência decorrente do resultado de lesões cerebrais e no sistema visual que afetam a parte do cérebro responsável pela visão consciente (córtex occipital). Os indivíduos que têm esse problema enxergam e localizam os objetos no ambiente, porém não conseguem identificá-los conscientemente.


*Conselho Brasileiro de Oftalmologia