Como estimular a visão dos bebês

A estimulação visual, não tem que ser nada muito complexo, sendo necessário ocorrer desde os primeiros dias de vida, nas atividades de vida diária e nos contatos afetivos com o cuidador.


Para realizar a estimulação é necessário criar experiências agradáveis através do brincar, para chamar a atenção da criança. As dicas a seguir podem ser realizadas com bebês com visão normal e também com crianças com alguma deficiência visual.


Desta forma, utilizam-se os possíveis recursos/intervenções:


• Estimular o uso da visão residual durante o brincar com outras crianças e com os cuidadores.

Visão Residual: apesar de não ser a perda total da visão, dificulta-as de realizar suas atividades diárias normalmente.


• Estimular o comportamento exploratório do ambiente demonstrando de forma verbal onde a criança está, com quem está, onde irá, quais objetos estão no ambiente.


• Utilizar brinquedos e objetos adaptados de acordo com as necessidades da criança por meio das funções sensoriais (auditiva, tátil, proprioceptiva e vestibular) com brinquedos grandes, na linha média e no campo visual de 20 cm, estimulando verbalmente que a mesma busque com o olhar e a cabeça (se houver controle de tronco).


• Objetos de tamanhos e tipos variados, com cores de alto contraste e coloridos (com amarelo e preto e/ou branco e branco) e/ou com brilho e iluminados, estimulando a visão residual e percepção tátil no campo visual de 20 cm.


• Brinquedos sonoros (como por exemplo chocalhos), dispostos na frente da linha média da criança, em seu campo visual e/ou horizontalmente realizando movimentos com o brinquedo de trás para frente e assim sucessivamente, de forma lenta para a criança perceber o objeto à sua volta.


• Estimular aspectos táteis com diferentes texturas, como por exemplo: grãos, esponjas, algodão etc. É necessário colocar as mãos da criança na textura e com ajuda terapêutica auxiliar a criança a se auto estimular, sempre dando estímulos verbais do que está sendo passado em seu corpo e qual o tipo de textura, se é: áspero, liso, gelado, entre outros.


• Evitar a luz direta nos olhos em crianças que apresentem crises convulsivas, mas se não houver é importante utilizar lanternas em ambiente escuros apontando para determinados pontos do ambiente e para objetos que o terapeuta quer que a criança olhe.


• Orientar familiares de como utilizar esses recursos em suas residências, para que o faça e aumente o estímulo dado à criança.


Dica de livro: O livro de contraste de Tana Hoban é monocromático e confeccionado em estilo acordeão. Deve ser o suficientemente resistente para se sustentar sozinho sobre uma superfície lisa. O bebê deve ser colocado deitado sobre o chão forrado com uma manta ou sobre um colchonete. Ao lado, o livro aberto em formato acordeão. Alterne os lados cada vez que estiver em contato com o livro. Também, mude o lado das páginas do livro, para propiciar ao bebê uma nova experiência.


Fonte: Diretrizes de estimulação precoce crianças de zero a 3 anos - Ministério da Saúde