Mitos e verdades sobre ômega-3 e saúde ocular

A visão é um dos nossos principais sentidos, por meio dela temos as imagens do mundo que nos cerca.

Por isso, é importante manter a saúde dos olhos como prioridade. Além do acompanhamento oftalmológico de rotina, a alimentação pode ser uma aliada para o fortalecimento dos olhos e prevenção de doenças oculares.


Pesquisas mostram que um nutriente vem demonstrando benefícios para a saúde ocular: o ômega-3, um ácido graxo polinsaturado essencial para o bom funcionamento do corpo humano e, por não ser produzido de forma natural pelo organismo, deve ser consumido sob a forma de gorduras.


Existem três tipos de ômega-3:

Ácido docosahexaenoico (DHA): encontrado principalmente nos peixes de águas geladas;

Ácido eicosapentaenoico (EPA): encontrados nos peixes;

Ácido Alfa-Linolênico (ALA): gordura de fonte vegetal encontrada na linhaça, chia e oleaginosas (castanhas), além de algas.


A melhor maneira de ingerir ômega-3 é diretamente da fonte, a partir dos alimentos que o contém. É preciso ter cuidado com as cápsulas, vendidas em mercados e farmácias, pois podem ser consumidas de forma irresponsável e muitos dos suplementos vendidos no Brasil podem conter uma quantidade alta de mercúrio e outros componentes prejudiciais à saúde. A principal e maior fonte de ômega-3 é o óleo de peixes de águas profundas e geladas.


As espécies mais fáceis de encontrar no Brasil são:

• Atum (se decidir usar o produto em lata, prefira a versão em água);

• Salmão (selvagem);

• Sardinha (se decidir usar o produto em lata, prefira a versão em água);

• Anchova;

• Pescada;

• Corvina;

• Caranguejo.


As fontes de origem vegetal são:

• Linhaça (semente e óleo);

• Chia; • Oleaginosas (nozes e castanhas).


Oficialmente, não existe uma indicação específica para o consumo de ômega-3.

De acordo com as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), dirigidas à prevenção de doenças crônicas relacionadas a dietas, a quantidade seria de uma a duas porções de peixe por semana. Cada porção equivalendo a um filé de peixe do tamanho da sua mão aberta.


MITOS E VERDADES SOBRE ÔMEGA-3


Ômega-3 ajuda no tratamento da blefarite

VERDADE. A blefarite pode ser reduzida com a inclu - são de alimentos com ômega-3 por regular a função das glândulas palpebrais.


Ômega-3 ajuda na lubrificação dos olhos

VERDADE. O ácido docosahexaenoico (DHA) ajuda a recuperar a produção e a qualidade das lágrimas, evitando assim a síndrome do olho seco.


O consumo excessivo de ômega-3 tem contraindicações e pode causar malefícios VERDADE. Já está comprovado que o excesso de ômega-3 no organismo traz problemas à saúde. Portanto, a suplementação deve ser feita somente se houver recomendação médica. O excesso de ômega-3 no organismo pode induzir à resistência à insulina e, consequentemente, diabetes e outras doenças metabólicas associadas. A grande quantidade da substância também inibe a produção de tromboxano, proteína responsável pela cicatrização, favorecendo hemorragias.


Ômega-3 e ômega-6 são iguais MITO. Enquanto o ômega-3 tem efeito anti-inflama - tório, o ômega-6 é o seu contrário. O ômega-6 é considerado antagonista do ômega-3, por isso, seu consumo excessivo pode impedir que o corpo desfrute dos benefícios do ômega-3.


Conselho Brasileiro de Oftalmologia