• obefoftalmologia

O uso indiscriminado de colírios pode causar doenças oculares severas

Colírios são medicamentos elaborados com substâncias que combatem infecções e inflamações. Sendo assim, devem ser prescritos e acompanhados por um oftalmologista, atentando, inclusive, para os casos em que precisam ser usados de forma associada a outro medicamento.


É importante ter em mente que o uso desordenado de colírio pode causar danos oculares, como úlceras e perda acentuada da visão. É preciso estar atento aos riscos, por exemplo, do uso contínuo de medicamentos com corticoide na formulação, muitas vezes usado para tratar inflamações nas vias respiratórias.


A substância pode causar glaucoma e catarata. Se o medicamento for um colírio, os efeitos colaterais são mais rápidos.

É importante sempre usar esse tipo de medicamento com acompanhamento médico especializado!

Para uma pessoa que sofre de congestão nasal, muitas vezes por questões alérgicas, gripes ou resfriados, é um alívio usar um remédio que libere as vias aéreas.


Mas muita atenção! Se o paciente tiver glaucoma e fizer uso de colírio antiglaucomatoso, a ação vasoconstritora do descongestionante corta o efeito do medicamento, que tem a função de controlar o glaucoma.


Para quem não tem o diagnóstico de glaucoma, mas tem a predisposição, esse tipo de automedicação pode causar a doença. Os colírios com ação vasoconstritora não são só para aliviar os olhos e dar a sensação de frescor, também cortam o efeito dos remédios usados contra hipertensão arterial. Para aliviar o desconforto dos olhos, no inverno, o ideal é usar lágrima artificial para evitar o transtorno.


O colírio betabloqueador é usado para tratar pacientes com glaucoma, mas, se for usado com medicamentos de ação broncodilatadora para aliviar os sintomas de bronquite e asma, pode causar falta de ar no paciente.


Por fim, a automedicação em casos de vista com secreção, ardência ou sensação de que tem algo no olho é bastante comum. Mas nem sempre o diagnóstico é a conjuntivite. Mesmo que seja, existe mais de um tipo da doença. Por isso, NÃO use o colírio indicado por outro paciente ou por um familiar!



O paciente com glaucoma precisa redobrar os cuidados quando o assunto é automedicação. Um medicamento perigoso para quem é portador dessa doença ocular, que talvez muitos não tenham se dado conta, é o inibidor de apetite. Isso porque pode causar aumento na pressão intraocular, e mesmo desencadear crise aguda em olhos predispostos.

Se, ao consultar um oftalmologista, for o caso de precisar usar colírio, siga as orientações abaixo:


• Lave as mãos antes e depois de aplicar qualquer medicamento nos olhos;

• As instruções do oftalmologista quanto ao uso do medicamento, como dosagem, número de aplicações e agitação do produto antes da aplicação, por exemplo, devem ser rigorosamente seguidas;

• Se você usa lentes de contato, retire-as antes de aplicar o produto e recoloque-as dez minutos depois da aplicação;

• Pingue somente uma gota de colírio de cada vez; • Não encoste o aplicador nos olhos para evitar contaminação;

• Não divida seu frasco de colírio com outra pessoa: deve ser de uso individual;

• Caso o oftalmologista tenha prescrito mais de um colírio, deve-se aguardar cerca de 15 minutos entre as aplicações;

• Relate ao oftalmologista qualquer incômodo relativo ao uso do colírio, como ardência, vermelhidão ou irritação. Em alguns casos, será necessária uma nova prescrição.


Fonte: CBO

5 visualizações0 comentário